Na quadragésima página do meu
Livro dos sonhos está o
Seu nome

E no terceiro parágrafo do
Conto lá escrito
Eu vejo o Futuro

Que na linha final
Marca um ponto e
Não reticências

Pois que sonhos acabam e
Os meus são apenas
Ruínas.

Num livro que ninguém lê.
Sobre contos do pode ser (não, não pode!).
Em linhas cruéis, acabadas.

Mas que vivem, enquanto eu vivo.
À revelia do óbvio.
E é lá que você está.

Um comentário sobre “”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *