As fotos da festa ficaram otimas

“O que o tempo fez conosco?
O que eu deixei para trás?”
“O que o tempo faz conosco?
O que eu não deixei pra trás?”

“Onde está aquele olhar desafiador,
Aquela ânsia de morder o pescoço do mundo?”

“E de onde veio esse sorriso que se dobra nas pontas
Como se estivesse arqueando, pesado, esforçoso?”

“Ah, mas eram tempos difíceis e eles passaram…
Por que, então, não sou feliz (no) agora?”

“Seria aquele tempo, ali nas fotos,
Os melhores minutos, segundos de minha vida?”

“Onde estão todos?”
“Eu podia ter ido…”

“Será que eu já fiz meu melhor?
Já fui meu melhor?
Já vivi meu melhor?”

Não há hoje ainda tantas ranhuras no rosto…
Mas elas virão. Virão?

Pergunto pois, se hoje, ainda próximo
Dessas fotos (mais próximo que amanhã),
Não me reconheço,
Estarei aqui para não me reconhecer ainda mais
No futuro? Nesse passado de um futuro possível?

Somos todos fogos de artifício na noite do tempo.
Brilho efêmero, barulho,
E no fim, o cheiro da pólvora. E fotografias.