Padre Juan é o pároco de Marechal Olívio e dizem que ele é o padre mais bonito do mundo. Mas nem sempre foi assim. Quando chegou na cidade, há muito tempo atrás, ele era só “o espanhol” mesmo. Dizem que ele veio da Espanha fugido, acusado do assassinato do próprio pai. Outros dizem que foi por ter prometido casamento a uma moça e, depois de ter “tirado proveito da inocência” da mesma, abandonou-a “desonrada”. Nesse caso, fugira para não ter que lidar com as consequências de seus atos – e com a ira da família da moça.

O fato é que ao chegar em Marechal Olívio, sendo o fugitivo que fosse (e era), causou um furor enorme. Jovem e muito bonito, o estrangeiro conquistou em pouco tempo os sorrisos femininos e os olhos envenenados masculinos. durante três anos não houveram casamentos na cidade. Vários terminaram. Namoros e outros compromissos se desmanchavam como torrões de açúcar em boca molhada. E o homem lá, no meio disso tudo, tentando agora  fugir é de mais confusão…

Até um certo dia em que uma espécie de santeiro passou pela cidade. Expondo seu artesanato na praça, calhou ao mesmo oferecer a Juan uma pequena estátua, pagã, de pedra.

“¿Dónde encontró esta estatua, hombre?”, disse Juan aterrorizado.

“Eu que fiz moço. sonhei com ela e fiz…”, respondeu o artesão.

“Sueño… ¿Qué sueño? Háblame del sueño!”, vociferava o rapaz, com os olhos injetados de uma mistura de terror e raiva.

“Olhe, moço, sonhei com esse rosto, de pedra, e uma mão arrastando um homem pra uma fogueira muito grande. Aí vinha a Virgem Maria e falava pra mão soltar o homem, que ele agora pertencia a Jesus. Aí acordei… vai comprar a imagem ou não?”.

Juan comprou a estatueta, foi para casa, juntou suas coisas e partiu com o “santeiro”. Segundo ele próprio relatou mais tarde, ao chegar na capital procurou a Santa Sé e se inscreveu na Obra de Deus. Anos depois, ordenado padre, pediu para ser alocado em Marechal Olívio assim que possível. Com o desaparecimento de Padre Sid (esta história contarei noutra oportunidade), Juan assumiu a paróquia e assim as coisas estão até hoje.

E essa é a história do padre Juan, homem de sacra beleza a serviço de Deus, em Marechal Olívio.